O Papel da Medicina Integrativa na Humanização da Saúde

0

A humanização do atendimento ao paciente é uma das melhores formas de garantir o bom atendimento e a satisfação de quem utiliza de centros de saúde, como hospitais, clínicas e consultórios. Normalmente, há um distanciamento entre pacientes e profissionais, por circunstâncias naturais ou do tratamento utilizado. Porém, é importante a inserção do ser humano como sujeito e indivíduo, não só cliente.

A busca pela humanização do atendimento hospitalar tem vários caminhos, incluindo a Medicina Integrativa.

Ao contrário da medicina tradicional, tipos diferentes de terapia estão ganhando espaço em centros de saúde em todo o Brasil. A medicina integrativa busca o melhor de cada área específica, promovendo o bem-estar do paciente em detalhes. Busca tratar o paciente como um todo, e não só como o órgão que precisa de tratamento. Como exemplo, uma pessoa com câncer não recebe atenção só pela erradicação do tumor, mas também pelo acompanhamento psicológico necessário, proporcionando a ela mais chances de cura e qualidade de vida.

A medicina integrativa propõe uma parceria para a manutenção da saúde, em que o paciente passa a participar mais ativamente do cuidado com a própria saúde. Assim, a pessoa se junta a profissionais de diversas áreas da saúde, defendendo a interdisciplinaridade no tratamento.

Além de medicamentos e processos convencionais, essa forma alternativa faz uso de conhecimentos como práticas meditativas, relaxamento, técnicas de respiração e uso de métodos tradicionais, sempre se baseando em evidências e segurança.

Terapias complementares são parte essencial da medicina integrativa, por oferecerem tratamentos pouco invasivos e de rápido retorno. Elas já estão sendo implantadas em centros médicos privados e públicos (inclusive no SUS), e podem vir na forma de:

Acupuntura – Alívio para dores crônicas através de agulhas em pontos específicos que remetem a outras partes do corpo, indicado para dor nas costas, dor de cabeça, ansiedade, depressão, insônia, entre outros.

Musicoterapia – Estímulos cerebrais através de música, que ativam partes importantes da massa cinzenta. Usada para tratar dores agudas e crônicas, autismo, depressão, e, recentemente, recuperação do câncer.

Fitoterápicos – Uso da natureza diretamente nos pacientes, através de infusões, extratos e pomadas. Atualmente oferecido pelo SUS, para tratar os mais diversos problemas.

Reiki – Prática criada por monges, que tem como objetivo a canalização da energia para promover bem-estar e sensação de cura. Tal método ativa o sistema imunológico e ajuda no tratamento de diversas doenças.